A percepção dos alunos do programa de aprendizagem, referente ao uso das Metodologias Ativas em sala de aula.

Por: Mairiele Paula Carvalho Palma Santos,

Daniel Knebel Baggio,

Maria Aparecida Duarte Ciufa,

Fabio da Silva

 

RESUMO

Este é um estudo sobre as metodologias ativas no processo de ensino e aprendizagem. O objetivo é avaliar a percepção dos alunos referente ao tema. A relevância do trabalho está na necessidade de repensar o processo de ensino e aprendizagem. Utilizou-se a aplicação de questionário estruturado com perguntas fechadas direcionado aos alunos do programa Jovem Aprendiz do Seanc Blumenau, e contou com a participação de 333 alunos matriculados no ano de 2019. Os dados foram coletados a partir de técnica de levantamento com a aplicação de formulário, sendo os dados avaliados com o uso de técnicas quantitativas. Os resultados obtidos indicam preferência dos alunos em aulas com uso de recursos variados. Conclui-se que o aluno deve ser considerado na sua integralidade e parte ativa do processo, portanto as metodologias utilizadas devem promover a ação e reflexão, tornando o aprendiz sujeito com possibilidades de mudar a sociedade em que está inserido.

PALAVRAS-CHAVE

Metodologias ativas. Inovação na educação. Aprendizagem. Mindset.

TEXTO COMPLETO:

PDF

REFERÊNCIAS

ABREU, M. C.; MASETTO, M. T. O professor universitário em aula. 11. ed. São Paulo: MG Ed. Associados. 1990.

ANTUNES. C. Professores e professauros: reflexões sobre a aula e práticas pedagógicas diversas. 6. ed. Petrópolis. RJ: Vozes. 2012.

ARAÚJO, U. F. A quarta revolução educacional: a mudança de tempos, espaços e relações na escola a partir do uso de tecnologias e da inclusão social. In: ETD: Educação Temática Digital. Campinas. v. 12. 2011.

BACICH. L; MORAN. J. (org). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre. Penso. 2018.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. B. Tec. Senac. Rio de Janeiro. v. 13, n. 2, p. 48 -67, maio/agosto. 2013.

BRASIL. DECRETO Nº 8.621/1946. Serviço Nacional de Aprendizagem. 1946.

CAMARGOS, M. A.; CAMARGOS. M. C. S.; MACHADO. C. J. Análise das preferências de ensino de alunos de um curso superior de administração de minas gerais. Revista de Gestão USP. São Paulo. v. 13, n. 2, p. 1-14, abril/junho. 2006.

DWERCK, C.S. Mindset: a nova psicologia do sucesso. São Paulo. Objetiva. 2017.

FREIRE. P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro/São Paulo. Paz e Terra. 1996.

GEORGE. M. Mindsets: altere suas percepções, crie novas perspectivas e mude seu modo de pensar. Petrópolis, Vozes. 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas S.A, 2010.

GIL, A. C. Didática do ensino superior. São Paulo: Atlas, 2011.

GOMES, H. M. A ação docente na educação profissional. 2 ed. São Paulo: Editora Senac. 2013.

GRAY, D. E. Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre: Editora Penso. 2012.

HAIR JR. J. F et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Editora Bookman, 2005.

KÜLLER, J. A.; RODRIGUES, N. F. Metodologia de desenvolvimento de competências. Rio de Janeiro: Senac Nacional. 2013.

LEITE. B. S. Gamificando as aulas de química: uma análise prospectiva das propostas de licenciandos em química. Novas Tecnologias na Educação – CINTED-UFRGS. nº 2V. 15. dezembro, 2017.

MADEIRA. M. C. Situações em que a aula expositiva ganha eficácia. In: Educere – XII Congresso Nacional de Educação. Araçatuba. PUCPR. 2015.

MASETTO, M. T. Atividades pedagógicas no cotidiano da sala de aula universitária: reflexões e sugestões práticas. In: CASTANHO, S.; CASTANHO, M. E. (orgs.). Temas e textos em metodologia do ensino superior. 7. ed. Campinas. SP: Papirus. 2001.

MORAN, J. M. A integração das tecnologias na educação. A Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5 ed. Campinas: Papirus. 2013.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. -PROEX/UEPG, Vol. II, 2015.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

PONTES. E. H. S. Mindset – condicionamento mental para a melhor performance. Revista Psicologia e saberes. V 7. N° 9. 2018.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SANCHES, C. Inovação e tecnologia no ambiente escolar. Revista: INOVEDUC: Folha Dirigida. Outubro. pág.15. 2017.

SENAC. Ambientes de aprendizagem. Senac. Departamento Nacional. 2018 a.

SENAC. Metodologias ativas de aprendizagem. Senac. Departamento Nacional. Rio de Janeiro. 2018 b.

SIMÃO, F. Ensino gamificado: o início de uma nova era. Revista: INOVEDUC: Folha Dirigida. Novembro. p. 67, 2017.

SUHR, I. R. F. Desafios no uso da sala de aula invertida no ensino superior. Revista. Transmutare. Curitiba, v. 1, n. 1, p. 4-21, jan./jun. 2016. Disponível em:

TEBAR. L. O perfil do professor mediador: pedagogia da mediação. São Paulo. Editora Senac. 2011.

TREVELIN. A. T. C.; PEREIRA. M. A. A. NETO. J. D. O. A utilização da “sala de aula invertida” em cursos superiores de tecnologia: comparação entre o modelo tradicional e o modelo invertido. Revista de Estilos de Aprendizagem. Nº 12. Vol 11. outubro de 2013.

ZABALA. A. Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre. Artmed. 2010.

Direitos autorais 2020 Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica.

Fonte do artigo: 

http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/9714

Fonte da imagem: 

novaescola.org.br

Deja un comentario

A percepção dos alunos do programa de aprendizagem, referente ao uso das Metodologias Ativas em sala de aula. – Sarraute Educación María Magdalena

A %d blogueros les gusta esto: