Trabalho Docente na Educação Profissional: Das Escolas de Aprendizes Artífices aos Institutos Federais e os desafios do Ensino Verticalizado.

 

Por: Francislene Rosas da Silva,

Ronegildo de Souza Silva,

Hellen Sandra Freires da Silva Azêvedo,

José Marlo Araújo de Azevedo

RESUMO

A criação da Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica em nosso país parte de inúmeras transformações históricas, educacionais, sociais desencadeando modificações na maneira de pensar e executar as políticas públicas educacionais no campo da educação profissional acarretando consequências à atividade docente. Os Institutos Federais são parte integrante dessa rede tem entre suas características a verticalização, onde os docentes se defrontam com um universo de diferentes níveis e modalidades atuando desde a educação básica a pós-graduação. Dessa forma, o estudo tem por objetivo apresentar uma evolução histórica da Educação Profissional no Brasil e os desafios enfrentados pelos docentes em sua atuação no âmbito da verticalização no Instituto Federal do Acre – Campus Cruzeiro do Sul. Os procedimentos utilizados na investigação incluíram pesquisa bibliográfica e documental e como instrumento de coleta de dados foram aplicados questionário semiestruturado. Os estudos sobre essa temática indicam que o trabalho docente no contexto verticalizado traz implicações uma vez que o docente atende a diversas áreas tanto de conhecimento quanto de níveis de ensino, fragilizando e causando a intensificação do trabalho docente.

 

PALAVRAS-CHAVE

Verticalização; Trabalho docente; Níveis de ensino.

TEXTO COMPLETO:

PDF

REFERÊNCIAS

ALARCÃO, I.; VEIGA, I. P. A. Formação continuada como instrumento de profissionalização docente. Caminhos da profissionalização do magistério. campinas: Papirus, 1998.

BRASIL, Decreto 7.566 de 23 de setembro 1909. Créa nas capitais dos Estados da Republica Escola de Aprendizes e Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Diário Oficial da União: seção 1. Rio de Janeiro, RJ, 26 set.1909, p.6975.

BRASIL, Lei N° 378 de 13 de janeiro de 1937. Dá nova organização ao Ministério da Educação e Saúde Pública. Diário Oficial da União: coluna 1. Rio de Janeiro, RJ, 15 jan.1937, p.1210.

BRASIL, Decreto 4.127 de 25 de fevereiro de 1942. Estabelece as bases de organização da rede federal de estabelecimentos de ensino industrial. Diário Oficial da União: seção 1. Rio Janeiro, RJ, 27 de fev. 1942, p.2957.

BRASIL, Lei N° 5.692 de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1. Brasília, DF, 12 de ago. 1971, p.6377.

BRASIL, Lei Nº 6.545 de 30 de junho de 1978. Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais de Minas Gerais, do Paraná e Celso Suckow da Fonseca em Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1. Brasília, DF, 30 de jun.1978, p. 1.

BRASIL, Lei N° 7.044 de 18 de outubro de 1982. Altera dispositivos da Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971, referentes à profissionalização do ensino de 2º grau. Diário Oficial da União: seção 1. Brasília, DF, 19 de out. 1982, p.19539.

BRASIL, Lei N° 8.948 de 8 de dezembro de 1994. Dispõe sobre a instituição do Sistema Nacional de Educação Tecnológica e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1. Brasília, DF, 09 de dez. 1994, p.18882.

BRASIL, Lei N° 9394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 de dez. 1996, p.1-27.

BRASIL, Decreto N° 2.208 de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: seção 1. Brasília, DF, 18 de abr. 1997, p.2579.

BRASIL, Decreto N° 5.225 de 1 de outubro de 2004. Altera dispositivos do Decreto no 3.860, de 9 de julho de 2001, que dispõe sobre a organização do ensino superior e a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1. Brasília, DF, 04 de out. 2004, p.5.

BRASIL, Lei N° 5.154 de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 de jul. 2004, p.1-3.

BRASIL, Lei N° 11.195 de 18 de novembro de 2005. Dá nova redação ao § 5° do art. 3° da Lei no 8.948, de 8 de dezembro de 1994. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 18 de nov. 2005, p.91.

BRASIL, Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Cria os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia. Disponível:. Acesso em 07 nov.2018.

CRUZ, S. P. da S.; BATISTA NETO, J. A. polivalência no contexto da docência nos anos iniciais da escolarização básica: refletindo sobre experiências da pesquisa. Revista Brasileira de Educação, v.1, n. 50, p. 385-499, 2012.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, A. de C.; DORSA, A. C.; OLIVEIRA, E. M. de. A educação profissional no Brasil: origem e trajetória. Revista Vozes dos Vales, p.1-18, 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2006.

HUBER-RODRIGUEZ, B. Origin 9.1: A review». Physics Today. ISSN 0031-9228. doi:10.1063/PT.5.9008 «Review article in Scientific Computing (OriginPro 8)». Consultado em 16 de junho de 2010. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2012.

KUENZER, A. Ensino médio e profissional: as políticas do estado neoliberal. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de Metodologia Científica: técnicas de pesquisa. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

LELIS, I.; IÓRIO, Â. C. F.; MESQUITA, S. S. A.; NASCIMENTO, M. das G. O trabalho docente: a tensão entre intensificação e bem-estar – profissional. In: LELIS, I.; NASCIMENTO, M. das G. (Org). O trabalho docente no Século XXI quais perspectivas?. Rio de Janeiro: Forma & Ação, 2009.

LELIS, I. A. O. M.; NASCIMENTO, M. G.; M, S. O ofício de professora em escolas de alto desempenho no Rio de Janeiro. In: 32 reunião anual da Anped, 2009, caxambu. Sociedade, cultura e educação: novas regulações?. Recife: Espaço Livre- Timbaúba, 2009. p. 1-17.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 10.ed. São Paulo: E.P.U, 2007.

MACHADO, L. R. S. Formação Docente para a Educação Profissional: limites e possibilidades de institucionalização. Belo Horizonte, MG. Cadernos de Pesquisas, v. 26, n. 4, 2019.

MACHADO, L. R. S. O desafio da formação de professores para a EPT e Proeja. Educação & Sociedade, campinas, São Paulo, v. 32, n. 116, p. 689-704, jul./dez. 2011.

MEC/SETEC (2019). Expansão da Rede Federal. Disponível em: . Acesso em 21 de maio de 2019.

MEC, Portal do Ministério da Educação. Linha do Tempo Rede Federal de Educação Profissional Tecnológica.

SANTOS, M. do. C. dos. Sob a égide do conflito: a reforma da educação profissional no CEFET-BA. 2005, 251 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

SANTOS, A. de S.; AZEVEDO, R. O. M.; GONZAGA, A. M. Tendências dos Saberes na formação profissional do professor: um olhar a partir do ensino tecnológico. Manaus, AM. Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico – EDUCITEC, v. 1, n. 2, 2015.

SETEC/MEC. Um novo modelo em Educação Profissional e Tecnológica: Concepções e Diretrizes. Brasília, DF, Ministério da Educação, 2010, p.1-44.

SILVA, A. R.; TERRA, D. C. T. A expansão dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e os desafios na contribuição para o desenvolvimento local e regional. In: I Seminário Nacional de Planejamento e Desenvolvimento, Curitiba, 2013.

SILVA, J. G. da. A expansão da rede federal de educação profissional, científica e tecnológica entre os anos 2005 e 2015 e suas implicações socioespaciais no estado de santa catarina. 2017. Tese (Doutorado e Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis – SC. 2017.

SILVA, D.C. A verticalização do Ensino nos Institutos Federais: uma abordagem a partir da percepção do trabalho docente no IFTM. 2017. (Dissertação de mestrado) Programa de Mestrado em Estudos Profissionais Especializados em Educação: Especialização em Administração das Organizações Educativas. Instituto Federal do Triangulo Mineiro. Minas Gerais-MG. 2017.

Direitos autorais 2020 Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica

Fonte do Artigo:

http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/9769

Fonte da Imagem:

comciencia.br 

Deja un comentario

Trabalho Docente na Educação Profissional: Das Escolas de Aprendizes Artífices aos Institutos Federais e os desafios do Ensino Verticalizado. – Sarraute Educación María Magdalena

A %d blogueros les gusta esto: