Olhares enviesados – a poesia na vida e a vida na poesia

Por: Ivane Perotti

Olhares Enviesados

 

Quando as brechas individuais não temem a ocupação pelo dizer do outro, a vida faz-se arte, a arte faz-se vida.  “A arte existe porque só existir não basta.” (GULLAR, 2010). E não bastando, engendra subjetividades. Dá ao verbo a palavra que lhe pertence. Traça caminhos no discurso de outros discursos. Umedece a paleta de cores que aquarela o mundo dado: mundo criado. Olhares enviesados atravessam o lugar do outro. E o outro, diante de quem deseja olhar, neste momento de invisibilizações, tem fomes.

 

Calçada das Fomes

Por leito, calçada

por lenço, cuspada

meandros de vida fina

repentina

escancarada

vias de fato aberto

concreto

viajantes

passam longe

passam perto

olhos de fardo roxo

verde

amarelo

bandeira na haste

feres

doutrina

elimina

bocas murchas

almas curtas

insurreição

calçada das fomes

infame

invisibilização

palavra

pede palavra

construção

silêncios do medo

opressão

culpa, poeta

poeta, culpa

arte

intervenção

verbo do tempo

projeto de morte

com sorte

dominação

mais fraco

mais morto

mais pobre

mais roco

oco

mutilação

do homem

da vida

da prosa

da rosa

vozes do povo

sentidos no ovo

silêncios

de novo

caso

ocaso

cloroquina

esquina

… sensibilização

_ o outro somos todos!

 

Ilustrações: Priscila Paula

Fonte:

http://pensaraeducacao.com.br/pensaraeducacaoempauta/olhares-enviesados-a-poesia-na-vida-e-a-vida-na-poesia/

 

Deja un comentario

Olhares enviesados – a poesia na vida e a vida na poesia – Sarraute Educación María Magdalena

A %d blogueros les gusta esto: