Angola: Dólar mantém predominância no mercado de transações

Angola 3 de dezembro 2020/Por: Hélder Jeremias/Fonte: https://www.jornaldeangola.ao/

A supremacia do dólar norte-americano sobre as principais moedas para transações comerciais e reservas internacionais vai manter-se por muito tempo, de acordo com um estudo recente efectuado pelo Fundo Monetário Internacional, citado pelo economista Gilberto António.

 

© Fotografia por: DR

Em declarações ao Jornal de Angola, o também especialista em comércio e investimentos internacionais, disse que não obstante o crescente protagonismo de novos actores no Sistema Financeiro Internacional e as suas respectivas moedas, tais como a China (Remimbi) e a União Europeia (Euro),a moeda dos EUA continuará a manter a confiança dos investidores.
Publicado há dias, com o titulo: “Reserve Currencies in an Evolving International Monetary Systeme” (Moedas de Reservas envolvidas num Sistema Monetário Internacional), o estudo teve como pressuposto o facto de que “apesar dos sistemas monetário e comercial internacionais terem evoluídos nas últimas décadas, em resposta às mudanças estruturais na economia global, a composição monetária das reservas internacionais permaneceu notavelmente estável”.
O dólar, segundo a resenha do estudo avançada por Gilberto António, é actualmente a moeda dominante, com uma participação de 61 por cento das reservas globais no final de 2019, seguida do euro que constitui 21 por cento das reservas globais, enquanto outras moedas distintas têm protagonismos muito inferiores, num leque em que se destacam as moedas chinesa (remimbim), a inglesa(Libra esterlina), a japonesa (yuen), entre outras de irrelevante circulação à escala planetária.
O estatuto particular do dólar como moeda de reserva é consistente, em virtude do seu amplo uso internacional, na medida em que os 44 por cento na sua utilização no volume de negócios lhe conferir o estatuto de “moeda mais negociada no mercado de câmbio”, isto é, a mais utilizada  para o facturamento comercial (54 por cento do comércio global) e denominação de créditos financeiros(51 por cento dos créditos bancários internacionais).
“Em minha opinião, esta posição dominante do dólar norte-americano é estonteante, tendo em conta as mudanças significativas ocorridas nos últimos 30 anos, como, por exemplo, a introdução do euro em 1999 e os esforços contínuos da China em promover a sua moeda internacionalmente.
De notar que, apesar destas transmutações, o dólar continua a representar uma parte bastante elevada no que  diz respeito à reservas globais, tendo mantido notavelmente alta a respectiva proporção do volume de negócios global”, frisou Gilberto António.
Questionado sobre a razão fundamental para que o dólar seja a moeda de reserva, o economista justificou com a necessidade dos países manterem suficientes reservas como seguro para acautelar a escassez de divisas nos ciclos econômicos, permitindo o financiamento das importações de que necessitam, bem como salvaguardar a  capacidade do governo liquidar a dívida denominada em moeda estrangeira, pressuposto para a manutenção da estabilidade financeira e de preços no mercado interno, atenuando, desta forma, o repasse na economia da taxa de câmbio.
“Considero que no contexto africano, as reservas são igualmente essenciais, tendo em conta o facto do sector privado africano deter poucos activos em moeda estrangeira e dos investidores internacionais verem nelas um indicador plausível da capacidade de resiliência de determinado país em caso de crise econômica. como consequência, as reservas são, geralmente, dominadas por moedas amplamente utilizadas para pagamentos internacionais e negociadas nos mercados de câmbios internacionais”, esclareceu.

Deja un comentario

Angola: Dólar mantém predominância no mercado de transações – Sarraute Educación María Magdalena

A %d blogueros les gusta esto: